Juntamente com as dúvidas durante a gravidez, o pré-natal também deixa algumas mulheres confusas. Na gravidez o corpo muda, os hormônios parecem entrar numa guerra e os sentimentos se afloram.

Para uma gravidez saudável é preciso ter um pré-natal bem feito

Juntamente com as dúvidas durante a gravidez, o pré-natal também deixa algumas mulheres confusas. Na gravidez o corpo muda, os hormônios parecem entrar numa guerra e os sentimentos se afloram. Nessa hora, o pré-natal passa a ser rotina na vida da mãe e se torna uma supervisão pelos olhos e cuidados do médico.

Durante o pré-natal é monitorado o desenvolvimento do bebê. Com medidas de prevenção e detecção precoce, possíveis doenças já existentes ou que estejam se manifestando de forma silenciosa são descobertas.

Antes de engravidar, o apoio profissional é essencial também. Segundo o ginecologista-obstetra José Moura, “a consulta pré-convencional é importante para que possam ser identificados fatores de risco que alterem o fluxo normal da gravidez, como abortamento, parto prematuro, hipertensão ou diabetes gestacional. Nessa consulta, o médico ginecologista-obstetra irá fazer uma anamnese e exame físico bem detalhado. É ideal que seja realizada, ao menos, três meses antes de começar as tentativas de engravidar para que possíveis patologias possam ser identificadas e possa ser prescrito o ácido fólico, que será utilizado por até 12 semanas e visa diminuir possíveis alterações no sistema nervoso do bebê”, afirma.

Do pré-natal para o parto

As visitas periódicas ao ginecologista-obstetra ajudam a organizar e entender as mudanças durante a gravidez. São nesses encontros que a mulher recebe informações sobre hábitos de vida, como ter alimentação saudável, higiene, uso de medicações, prática de exercícios físicos, consumo de álcool e fumo, vacinas e outras situações que vão surgindo nesse período.

Após um ciclo de consultas, é chegada a hora do parto e a saúde da mãe e do bebê estão acima de tudo. Dessa forma, “o parto normal pode ser preparado e controlado com apoio psicológico, favorece menor dor no pós-parto, menor frequência de complicações como hemorragias e infecções puerperais, além de ter uma recuperação mais rápida e menor risco para futuras gestações. No momento do nascimento do bebê, o profissional irá identificar a situação da mãe, do bebê, a dilatação e aí então conduzirá o melhor para garantir que tudo ocorra bem”, explica Moura.

Veja os exames de prevenção e planejamento da gravidez

  • Papanicolau (preventivo)
  • Hemograma,
  • Glicemia
  • HIV
  • VDRL
  • Rubéola
  • Toxoplasmose
  • Citomegalovírus
  • Hepatite B e C
  • HTLV
  • Exames de urina e parasitológico de fezes

Exames do Pré-Natal

  • Hemograma completo
  • Glicemia
  • Tipagem sanguínea e fator RH
  • VDRL,
  • Anti-HIV
  • Hepatite B e C
  • Toxoplasmose
  • Rubéola
  • Citomegalovírus
  • HTLV
  • Exames de urina e parasitológico de fezes

Consultas do Pré-Natal

O total de consultas deve ser de, no mínimo, seis e realizadas da seguinte forma:

– Mensalmente até a 28ª semana

– Quinzenalmente da 28ª a 36ª semana

– Semanalmente até a 41ª semana