A pele é responsável pela proteção química e física do corpo e quando ela fica ressecada e desidratada, as funções podem ficar comprometidas. Segundo a médica dermatologista Teresa Noviello, as baixas temperaturas e o clima mais seco levam a diminuição da oleosidade da pele e da sudorese. Isso provoca ressecamento e pode deixar a pele sem viço.

Cuidados com a pele no outono e inverno devem ser redobrados

Com a chegada do outono e a aproximação do inverno, a combinação da queda na temperatura com a baixa umidade do ar predispõe ao aparecimento de mudanças na pele. Ela é responsável pela proteção química e física do corpo e quando ela fica ressecada e desidratada, as funções podem ficar comprometidas. Segundo a médica dermatologista Teresa Noviello, as baixas temperaturas e o clima mais seco levam a diminuição da oleosidade da pele e da sudorese. Isso provoca ressecamento e pode deixar a pele sem viço.

“Vários fatores influenciam no surgimento das lesões na pele nesta época do ano. Com o clima seco e o frio intenso, perdemos com maior facilidade a umidade natural do corpo.  Além disso, banhos quentes também são frequentes, estes aumentam o ressecamento e desidratam a pele, prejudicando a função de barreira que ela exerce”, explica Teresa. Para ela, outra questão afetada pelas baixas temperaturas é a hidratação interna do corpo. Com a diminuição do consumo diário de água, característico dessas estações, a hidratação natural da pele também fica prejudicada.

Alguns problemas da pele ficam mais suscetíveis a surgir neste período do ano. Dermatite seborreica ou atópica são exemplos mais comuns. Esses tipos de dermatites são caracterizados por formarem inflamações na pele que causam principalmente descamação, vermelhidão, erupções e crostas. Elas podem aparecer por uma série de motivos, porém as baixas temperaturas e umidade são os elos comuns.

Cuidados essenciais

A médica dermatologista explica que apesar dos cuidados serem para o corpo como um todo, as áreas mais expostas como rosto, lábios, pescoço, braços, pernas, mãos e pés merecem maiores cuidados por serem mais afetadas. “A hidratação rigorosa da pele é a principal recomendação. É preciso manter a ingestão de água em dia, cerca de um 1,5l ou 2l por dia; aumentar o uso de hidratantes corporais; evitar banhos extremamente quentes e duradouros; usar protetor solar, mesmo com o sol aparentando estar mais fraco”, aponta Teresa.

A profissional conta que esta época do ano, mais fria, é ideal para a realização de alguns tratamentos de pele por conta da não exposição ao sol. Vale ressaltar que é preciso evitar a luz solar para terem os resultados satisfatórios e nenhum problema mais grave. “Todos os tratamentos devem passar previamente pela avaliação de um dermatologista para a indicação do procedimento e dos cuidados mais adequados para cada tipo de pele”, alerta.